A verdadeira história de Emily Rose

domingo, 15 de maio de 2011.


Um filme que me impressionou bastante foi "O Exorcismo de Emily Rose". Simplesmente pela história ser verídica, ou seja, baseada em fatos reais. Nos últimos meses, andei pesquisando bastante sobre o assunto e descobri a história da verdadeira Emily Rose que na realidade se chamava Anneliese Michel. Então, criei esse post especialmente pra quem tem curiosidade e gostaria de conhecer a verdadeira história de “Emily Rose”.
 
Anneliese Michel nasceu em 21 de setembro de 1952 em Leiblifing-Alemanha. Anneliese era descrita como uma jovem alemã muito religiosa de família católica e cristã. Anneliese recebia uma educação severa dentro do cristianismo; dos pais que eram muito fervorosos. Mas como dizem, os demônios sempre preferem atormentar as pessoas mais religiosas. Então foi aí que Anneliese Michel teve o seu primeiro ataque em 1969.

Annieliese Michel começou a ter alucinações e visões durante suas orações. Ela ouvia vozes que lhe atormentavam dizendo que ela ia arder no inferno. Anneliese foi piorando cada vez mais; em 1973 ela já poderia ser considerada doente e com diversos problemas, como depressão e vontade por suicídio.
 
Anneliese já se encontrava em um estado totalmente irascível. Além de insultar, espancar e morder os membros de sua família, ela destruía crucifixos, rosários e quebrava imagens. Urinava pela casa com frequência e comia moscas e aranhas. Dormia sempre no chão frio, além de ingerir sua própria urina. Ela também cometia automutilação e tirava suas próprias roupas. 

 
Depois de Anneliese Michel ser admitida a tratamentos psiquiátricos, sua situação se agravou e sua depressão se tornava cada vez mais profunda. Anneliese já havia perdido a esperança no tratamento médico. Como se centralizava bastante na fé católica, Anneliese chegou à conclusão de que aqueles transtornos eram causados por possessão demoníaca. Ela chegou a essa conclusão, depois de perceber que tinha uma intolerância fora do comum com objetos sagrados, como crucifixos e imagens de santos.



O exorcismo
Em 1973, os pais de Anneliese Michel procuraram os religiosos na paróquia local para solicitar permissão para realizar o exorcismo; já que também acreditavam que a filha estava possuída. Mas a permissão foi negada, pois para se realizar um exorcismo, (um ritual raro e restrito) deve-se considerar os seguintes comportamentos: grande aversão por símbolos religiosos (como crucifixos e derivados), ter o poder de falar em outras línguas e poderes sobrenaturais.

Algum tempo depois, o padre Ernst Alt (considerado um perito no assunto) começou a avaliar o caso e concluiu que Anneliese Michel já reunia condições de estado suficientes e comportamentos para a realização do exorcismo, de acordo com os procedimentos prescritos no Rituale Romanum.




Em 1974 o padre Ernest Alt finalmente decidiu solicitar a permissão ao Bispo de Wurzburg para realizar o exorcismo; e a permissão foi concedida. No rito do exorcismo o padre deve portar um crucifixo e uma Bíblia, para poder utilizar as palavras ditas por Jesus Cristo com precisão. Deve-se fazer o sinal da cruz, abençoar a pessoa possuída e aspergir sobre ela água benta. O padre então ordena com fé e firmeza que o demônio deixe o corpo do possesso e ora pedindo pela salvação da vítima em nome de Jesus Cristo. As orações denunciam a ação maléfica de Satanás e rogam pela misericórdia de Deus. Normalmente, os padres levam o possesso para uma igreja ou capela, onde podem realizar o rito reservadamente, apenas com a presença dos familiares. As sessões de exorcismo não têm um prazo de duração específico, podendo se estender durante horas, dias ou meses.

No caso de Anneliese foram necessárias 67 sessões de exorcismo. Numa frequência de uma ou duas por semana, se prolongaram inicialmente por cerca de nove meses, durante os quais ela muitas vezes tinha que ser segurada por até três homens; ou em algumas ocasiões, acorrentada. Ela também lesionou seriamente os joelhos em virtude das genuflexões compulsivas que realizava durante o exorcismo, aproximadamente quatrocentas em cada sessão.



 
Nas sessões foram utilizadas 40 fitas de gravação para preservar os detalhes. Durante o período de exorcismo, seis demônios diferentes se identificaram através de Anneliese; dentre os quais se autodenominavam como Judas, Caim, Nero, Lúcifer, Fleischmannn e Hitler.
O sonho de Anneliese Michel

Anneliese Michel relatou ter sonhado um sonho onde a virgem Maria havia aparecido pra ela e teria lhe dado a optar por duas escolhas para seu estado condicional; ou ser libertada do jogo dos demônios, ou continuar seu martírio para que as pessoas percebessem que o mundo do mal existe e as ações dos demônios também existem. De fato, Anneliese escolheu a segunda opção. 
 
Falecimento
 
No dia primeiro de julho de 1976, Anneliese faleceu enquanto dormia. À meia noite segundo oque descreveram, os demônios finalmente deixaram o seu corpo. Anneliese foi dormir exausta, mas em paz e nunca mais acordou, falecendo aos 23 anos de idade. A autópsia considerou o seu estado avançado de desnutrição e desidratação como a causa principal de sua morte; sendo falência múltipla dos órgãos. Nesse dia, o seu corpo pesava pouco mais de trinta quilos. Falecimento



Curiosidades e teorias:

  • Durante as sessões finais do exorcismo foram identificadas vozes masculinas de dois demônios que discutiam entre si sobre "quem deixaria primeiro" o corpo de Anneliese.
  • Em uma das 40 fitas gravadas, foram identificadas vozes perturbadoras e uma delas era audível ao sotaque Áustrico pesado; e em uma dessas fitas um dos demônios se identificou como Hitler, o que era uma coincidência, pois Hitler era áustrico.
  • Os relatórios oficiais, entretanto, divulgaram a informação que o corpo já estava em avançado estado de decomposição. As fotos que foram tiradas durante a exumação, jamais foram divulgadas. Várias pessoas chegaram a especular que os exumadores moveram o corpo de Anneliese do antigo sarcófago para o novo; segurando-o pelas mãos e pernas, o que seria um indício de que o corpo não estaria na realidade muito decomposto. Os pais e os padres exorcistas, foram desencorajados a ver os restos mortais de Anneliese. O padre Arnold Renz mais tarde, afirmou que teria sido inclusive advertido a não entrar no mortuário.

Nos dias atuais, o túmulo de Anneliese Michel em Klingenberg am Main, tornou-se um local de peregrinação para os cristãos que a consideram uma devota; que experimentou extremos sacrifícios em um martírio voluntário para possibilitar a salvação espiritual de muitos.




ATENÇÃO: O VIDEO ABAIXO É COMPOSTO PELO AÚDIO DAS SESSÕES DO VERDADEIRO EXORCISMO DE ANNELIESE MICHEL. PORTANTO SE FOR UMA PESSOA SENSÍVEL, EU RECOMENDO QUE NÃO O ASSISTA



ATENÇÃO: é expressamente proibido copiar este artigo deste Blog. PLÁGIO é crime previsto a lei de 98. Tenha consiência disso e não copie! eu denunciarei os blogs que contiverem meus artigos. 

5 comentários:

Elisandra disse...

Achei o filme realmente muito bom e forte...a historia verdadeira com certeza impressiona maiis....

Anônimo disse...

Eu sei que essas coisas existem e quanto mais religiosas as pessoas são mais sujeitas estão ás tentações do Mal.Eu conheço uma pessoa que passou de 06 a 08 meses internada em um hospital para doentes mentais na cidade Teofilo Otoni no começo dos anos 80. O nome do hospital era Balbina Bragança. Ela chegou quase sem vida nesse hospital, mas nenhum médico comum conseguiu tratá-la porque seus exames não apresentavam doença ninguma e tampoco alteraciones mentales, eles não entendiam nada de espíritos. Ela dormia acorrentada na cama da enfermaria repleta de doentes e acordava na lápide fria do necrotério toda gelada a ponto de pegar uma pneumonia. Ninguém sabia explicar como isso acontecia, ela via velas acenderem sozinhas. Os médicos e enfermeiras começaram a ficar com medo dela.Mandaram buscar na Bahia um médico de renome na época que também era espírita e foi esse médico que conseguiu trata-la,como ela era uma adolescente muito religiosa, caridosa e sobretudo comprometida com os problemas sociais do povo de sua cidade, os espíritos obsessores se aproximaram dela a fim de tomar conta de seu corpo e fazer dela o "cavalo" deles na comunicação com o mundo dos vivos. E só escapou das mutilações por causa daquele "anjo de branco" que foi da Bahia para socorrê-la.

Mayara disse...

Olá, adorei o seu blog! Estava procurando no google coisas curiosas e sem querer achei o seu, adorei a história verídica "Emily Rose". Beijos May!

Anônimo disse...

ela podia ate estar possuida mas eu acho que tambem por a familia dela ser reliosa e severa eles deviam tratar ela com muito rigor e com falta dialogo , carinho ,atencao ou ate mesmo sem amor ou tentando ensinar o envagelio com forca bruta e dando assim brechas como a depressao para o demonios entrarem em seu coracao ate possuila ate chegar a esse ponto tambem nao acho que exorcao seja algo que ajude pois sao apenas rituais repetitivos que fazem sofrer e que demonios nao temem nem vao embora so por meras rezas que se repetem ou objetos que o homem inventou eles so vao embora pelo nome de deus ou jesus e se o homem que esta orando realmente o obecer a deus se nao sao apenas palavras jogadas no ar

Juliane Way disse...

Gostei muito do seu ponto de vista. O tratamento da família dela, pode sim ter influenciado ela. Embora ela fosse cristã por vontade própria, e por vezes chegasse até a bater nas próprias costas, com o fim de pagar pelos pecados dos outros.